Saiba algumas dicas de como formular o seu mapa mental

O mapa mental pode ajudar a memorizar conteúdo, organizar informações e até mesmo tomar decisões importantes!

Ele é construído de maneira a organizar um conjunto de informações, tornando a compreensão e memorização mais fácil. No entanto, muitas pessoas possuem dificuldades em começar a construir mapas mentais.

Sua estrutura foi pensada especialmente para facilitar o aprendizado e administração da informação. Hoje, ele é também muito utilizado para ajudar nos processos de tomada de decisão.

Isso significa que o mapa mental dispõe o conteúdo da mesma maneira que ele é entendido pelo nosso cérebro, fortalecendo as sinapses neurais. Ou seja, é muito mais fácil memorizar e compreender dessa forma.

Para isso, a ferramenta conta com vários recursos: cores, símbolos e, principalmente, sua estrutura baseada em ramificações. Associando uma informação à outras, podemos recordá-las com mais facilidade.

Os recursos gráficos contribuem ativando diferentes partes do cérebro e fornecendo mais opções para acionar nossa memória.

Essa é uma ferramenta ideal para muitos cenários diferentes, e é especialmente útil no brainstorming, pois potencializa nossas capacidades de associações e a criatividade.

Como posso usar um mapa mental?

Um mapa mental, como mencionamos, possui muitas utilidades. Confira todas as situações onde essa ferramenta pode ser útil:

  • Memorização: organiza um conteúdo de maneira espontânea, simulando as associações feitas naturalmente pelo seu cérebro e facilitando a evocação do conhecimento.
  • Desenvolvimento da criatividade: por não possuírem uma estrutura linear, são ótimos para auxiliar processos criativos e de brainstorming.
  • Solução de problemas: ajuda a visualizar e diagnosticar todos os aspectos e consequências de uma situação, criando um panorama que possibilita o melhor entendimento da mesma.
  • Planejamento: possibilita encontrar todos os requisitos para realizar tarefas, ajudando a definir o que precisa ser feito para alcançar uma meta ou objetivo.
  • Estruturação de projetos: seja qual for o projeto que você tem em mente, essa ferramenta pode ajudar a definir os passos necessários para realizá-lo.

Quais são as vantagens de utilizar um mapa mental?

O mapa mental é um método de organizar as informações que apresenta muitas vantagens, especialmente quando comparado com outras alternativas. Veja os principais benefícios do mapa mental:

    • Maior flexibilidade: graças a sua estrutura, é mais fácil adicionar novas informações ao mapa mental.
    • Facilidade em lembrar e organizar: o mapa mental organiza as informações da mesma maneira que elas são organizadas no nosso cérebro: através de associações. Por isso, é muito mais fácil memorizá-las ou entendê-las.
    • Visualização: explanadas de maneira gráfica, as informações podem ser visualizadas e compreendidas de maneira mais simples.
    • Recursos gráficos: o mapa mental pode incluir símbolos, cores e outros artifícios para ajudar na memorização.
    • Instintivo: pode ser um pouco difícil elaborar mapas mentais no começo. No entanto, após apenas algumas experiências ele se torna instintivo. Isso porque seu cérebro já funciona dessa maneira. Basta que você se habitue a passar essa estrutura para o papel.
    • Explicativo: através do uso de mapas mentais, pode ser mais fácil transmitir ideias, compartilhar raciocínios e explicar procedimentos, tornando o trabalho em grupo mais simples.
    • Colaborativo: como não possui estrutura linear, o mapa mental pode ser montado através de esforços colaborativos, tornando as informações mais completas. Criar um panorama de qualquer situação fica muito mais simples através da contribuição de diferentes indivíduos. O mapa mental é uma forma ideal de fazer isso sem desorganização.

Materiais:

  • Uma folha;
  • Lápis, caneta e borracha;
  • Lápis de cor, canetinhas ou outra maneira de adicionar cores;
  • Opcionalmente, você pode utilizar colagem para os símbolos, ou buscar os recursos digitais para a montagem do mapa mental.

 

Como fazer anotações para aprimorar a memorização…

Uma das técnicas mais fáceis para memorizar conteúdos com palavras chave e com um pequeno resumo é o método de Cornell, muito utilizado na década de 50.

Outro método também muito utilizado é o mapa mental ou também chamado mapa da mente é um tipo  de diagrama sistematizado pelo inglês Tony Buzzan, que está voltado para a gestão de informações de conhecimento e capital intelectual para  a compreensão e solução de problemas, memorização e aprendizado, na criação de manuais e por assim vai.

Mas hoje vamos falar do que é um método de Cornell.

Esse método de anotação foi desenvolvido em 1950 por  Walter Pauk, professor de educação da Cornell University. É bastante eficaz para aquelas aulas em forma de palestras, com muito conteúdo em pouco tempo de discurso. Também é uma das melhores técnicas para revisar o conteúdo, devido sua organização.

É um método requer um pouco mais de esforço mental, porém todo o esforço é recompensado com ganho de conhecimento gravado na memória de longo prazo.

A sua elaboração é dividida em 3 partes:

  1. Dividir a folha em três seções separadas por uma linha horizontal e uma vertical.
  2. O espaço maior à direita da folha é para as anotações importantes feitas como um resumo em tópicos, extraindo as ideias principais do conteúdo.
  3. Na parte inferior você vai fazer um resumo crítico do assunto, aqui você  escreve o que entendeu do assunto podendo ser de forma explicativa (ensinado uma outra pessoa).

veja na imagem abaixo:

  • Na parte em vermelho você irá anotar tópicos, ou peguntas que será respondida na parte azul, colocando elas sempre alinhadas.
  • Na parte azul você vai fazer a sua anotação, quanto mais resumido tiver é melhor, de uma forma clara e simples para que você possa entender direitinho.
  • Na parte Amarela você vai anotar o assunto, é como se fosse um sumário, os temas principais, pois nesse ponto será onde você irá procurar o conteúdo em que precisa estudar.

Bom, essa é uma das várias técnicas que existem e ao longo do tempo estaremos compartilhado com vocês outros métodos.

 

Referencias tiradas do Jornal Galileu

 

Bons Estudos,

 

#NovoImpactoTagauatinga.

Como conseguir memorizar os conteúdos que eu aprendo?

Para que sua mente possa lembrar de algum conteúdo você precisa ouvir ou escrever o que quer lembrar diversas vezes, com esse hábito você vai conseguir memorizar bastante coisa.

Mas não é só isso, você também precisa ler bastante e entender o que está lendo, saber interpretar um texto ajuda bastante na resolução de questões e também na memorização dos conteúdos, além disso fazer leitura em voz alta escutando a si próprio também ajuda.

Junto da técnica de ler em voz alta, há outras igualmente valiosas como grifar os trechos mais importantes ou estabelecer associações mnemônicas. Uma das mais famosas é “Minha Vó, Traga Meu Jantar: Sopa, Uva, Nozes e Pão”. As iniciais da frase relembram o aluno da ordem dos planetas no Sistema Solar: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão.

Uma pesquisa feita diz que o cérebro associa palavras a imagens, já ouviu falar em MAPA MENTAL? mapa mental, é uma forma de resumo que facilita bastante a memorização e nele você utiliza poucas palavras.

imagem retirada do Pinterest.

Outra tática para memorizar um assunto é exagerá-lo; aumentar as proporções de qualquer fato que deva ser lembrado. Por exemplo: se você estiver estudando sobre alguma guerra, imagine quantos danos imensos ela pode ter causado.

Relacionar o conteúdo estudado com algo que tenha uma conexão pessoal direta com você também ajuda a memorizar. Tente encontrar pontos em comum da matéria de estudo com a sua vida.

Se você não tiver disciplina para estudar, não conseguirá organizar as informações em seu cérebro. Na hora da prova, quando precisar encontrar uma informação, vai demorar a localizá-la

Referências tiradas dos seguintes sites : Noticias Universais ,  Guia do Estudante.

 

Bons estudos, 

 

#NovoImpactoTaguatinga.

Você tem medo de redação ? Veja dicas e técnicas para aprimorar seus conhecimentos.

Organizar ideias para começar a escrever uma redação na qual você não tem noção nenhuma do tema é extremamente desesperador, mas calma, com técnicas e algumas dicas você conseguirá se sair bem!

Primeiro de tudo, você precisa ter o habito de leitura, com a leitura você pode engrandecer os seus conhecimentos e aumentar o seu vocabulário, começar a identificar as palavras mais rápido, pensar em qual outra poderia ser encaixada naquele momento.

Ah, mas você deve tá se perguntando se eu já tenho o habito de leitura, não precisarei mais me preocupar com técnicas e nem dicas para a minha redação, mas não é bem assim.

DICAS/INSTRUÇÕES
veja algumas dicas/instruções para memorização de conteúdos ou palavras chaves que possam te ajudar:
  1. Você precisa entender o tema proposto para redigir sua redação, nem que seja minimamente. Sem isso, as chances de se perder na hora de colocar as ideias no papel são muito grandes. Sendo assim, leia atentamente o enunciado e invista um tempo refletindo sobre o que foi proposto.
  2. Atente-se para não falar demais e fugir do tema proposto. Se for um assunto que você domina, é bem melhor! Se não, busque na memória tudo que sabe de interessante sobre ele e destaque pontos que podem ser bem explorados.
  3. Use folhas para organizar suas ideias para que seu texto saia coeso,  quando colocamos o que vem à mente no papel de forma aleatória, novas perspectivas podem surgir para melhorar o material. Leia e releia o que escreveu, risque e rabisque até encontrar o tom certo.
  4. Atenção na norma culta padrão que eles pedem que usemos, a língua portuguesa é bastante extensa e viva, por conta disso, vem se modificando ao longo dos tempos, absorvendo gírias e expressões populares. Mas em hipótese nenhuma utilize-as.
  5. Respeite a estrutura formal do texto, não comece já desenvolvendo um assunto, siga os padrões: Introdução, Desenvolvimento e conclusão, use conectivos para deixar seu texto mais rico. O idea é que seu texto não ultrapasse 30 linhas.
  6. Importante: nem todas as bancas pedem título na redação. Confira se é o caso da sua prova e, caso seja exigido, lembre-se de preferencialmente não utilizar verbos e nunca colocar ponto final.
  7. Seja breve no seu assunto a ser discutido, não escreva coisas redundantes demais,seja objetivo nas ideias
  8. Evite frases longas, de impacto, duvidosas ou clichês. Muitas vezes, na ânsia de parecer culto, o candidato investe em um palavreado rebuscado e esquece que o principal objetivo é se fazer entender.

Referências tiradas do site Próximos Concursos.

Bons estudos,

#NovoImpactoTaguatinga.

Não sabe como começar a se preparar para concursos? Veja dicas

O ano já começou e, com ele, a esperança de que nossos sonhos se realizem. Mas, depois que nos tornamos adultos descobrimos que, se queremos isso de verdade, precisamos transformar os sonhos em projetos e arregaçar as mangas para concretizá-los.

Se um dos seus sonhos é terminar o ano de 2014 empregado, com segurança e bom salário, sugiro começar a se preparar já, sem esperar o carnaval chegar. Até porque o carnaval só acontecerá em março; poucos meses depois teremos a Copa do Mundo e, em seguida, eleições. Quando piscarmos os olhos já será ano novo de novo.

O que fazer, então, para que daqui a um ano você tenha o que comemorar?

 

Antecipe-se
Não espere o edital ser publicado para começar a estudar, porque o tempo entre a publicação do edital e a prova é curto (em torno de dois meses) e muitas matérias precisam ser vistas. Além disso, muitos concorrentes já estão estudando.

Portanto, prepare-se com antecedência. Sorte é você estar pronto quando a oportunidade aparece.

Objetivo
Escolha a área de concursos que lhe interessa. É preciso ver o tipo de atividade, a faixa salarial e outros aspectos, para fazer uma escolha consciente.

Ferramentas
Procure um curso preparatório que se ajuste ao seu perfil. No curso presencial você vai se sentir mais apoiado, porque vai encontrar pessoas que vivem um projeto parecido. Já o curso pela internet ajuda a economizar tempo de deslocamento e funciona bem para quem tem horários irregulares de estudo, por conta de trabalho. Se forem de qualidade, os dois tipos de curso oferecem ótimo resultado e facilitam a compreensão das matérias. Como consequência, aceleram a sua aprovação.

Também é importante ter um bom material de consulta. Os livros específicos para concurso são mais indicados do que os de faculdade, porque abordam a matéria de forma objetiva e de acordo com o que vem sendo cobrado nos concursos. Observe se há exercícios didáticos sobre os tópicos abordados, porque são muito úteis durante o estudo.

Mais recentemente, surgiram os materiais em arquivos pdf. São mais leves do que os livros e mais diretos do que as aulas em vídeo.

É possível também fazer um curso presencial completo e alguns módulos de reforço pela internet ou o inverso. O mesmo se aplica aos materiais escolhidos.

O candidato deve conhecer o seu perfil para optar pelo modelo em que sinta maior rendimento. Seja ele qual for, o importante é que resulte em aprendizado efetivo.

Organização
Organize a sua rotina de vida para sobrar tempo para estudar, além de assistir às aulas. Um quadro de horários ajuda bastante.

Comece pelas matérias básicas da área que você escolheu e estude todas, de forma alternada, reservando tempo para cada uma a cada semana ou, se você tiver pouco tempo para estudar, a cada duas semanas.

Assim, você poderá participar de vários concursos, em vez de se preparar para somente um, e terá um patamar de conhecimento que facilitará a compreensão de outras matérias que virão depois.

Resistência
Projetos grandiosos como o de conquistar uma vaga no serviço público demoram algum tempo para serem concluídos. Dificuldades podem surgir no percurso. É natural enfrentar dúvidas nas matérias, falta de tempo, cobranças, falta de dinheiro, cansaço e medo. Todo candidato passa por isso. Mas é preciso buscar soluções ou contornar os obstáculos, e continuar estudando.

Ajustes
Se alguma reprovação acontecer, o candidato deve examinar as causas e fazer as correções necessárias na preparação ou na forma de fazer provas. E seguir. Até a aprovação.

Seja feliz
Muita gente acha que conquistar um objetivo terá como consequência encontrar a felicidade. Isso não acontece. É preciso aprender a ser feliz durante o caminho. Até porque isso é um excelente combustível para seguir adiante. Além disso, temos 365 dias pela frente para serem vividos.

 

Lia Salgado, colunista do G1, é fiscal de rendas do município do Rio de Janeiro, consultora em concursos públicos e autora do livro “Como vencer a maratona dos concursos públicos”

 

Fim do recesso: hora de colocar o estudo para concursos de 2019 em dia

Passada a temporada de festas e confraternizações, é chegada a hora de retomar a rotina de preparação para os concursos. É um momento delicado e de muita autocobrança. Alguns concurseiros até abandonam os estudos por considerar que, se não conseguem ter o mesmo desempenho de antes, há algo errado. Pode respirar aliviado, não há nada fora do esperado.

O cérebro perdeu parte do condicionamento que tinha, e o trabalho agora é restabelecer as atividades para ser produtivo e eficiente. Consistência é a palavra-chave para voltar à boa forma. Também se torna oportuno revisar em que aspectos a dedicação pode ser melhorada, aproveitando a quebra de padrão nas atividades.

Com uma boa organização e um bom planejamento, ou seja, com a direção devidamente alinhada, aumentar o ritmo com o passar das semanas se torna mais simples. Isso significa que a definição do ritual de estudo é mais importante do que o tempo destinado a executá-lo. Portanto, comece mais devagar e vá aumentando o tempo.

Revisão da estratégia
Todas as vezes em que há uma paralisação ou redução do jeito costumeiro de agir, o cérebro se adapta e, por isso, precisa de uma nova “programação” para voltar ao estado desejado de foco, concentração e memorização. Isso, naturalmente, demanda uma maior quantidade de energia para tomada de decisões.

Ao entender esse processo, fica mais fácil compreender a importância de reservar um tempo inicial para o planejamento e para organização tanto do ambiente de estudo e dos materiais que serão usados quanto da grade horária. Por consequência, decidir sobre o que será estudado e como será estudado.

Devem ser considerados alguns pontos, como importância da disciplina diante das demais, volume de conteúdo já visto do edital (já lançado ou o anterior, que funciona como referência), as técnicas de aprendizagem – que podem ser diferentes, a depender de cada matéria.

Feito isso, torna-se possível determinar o passo seguinte: a reserva de tempo para a preparação durante esse período de readaptação. A quantidade ideal de horas varia individualmente, entretanto recomenda-se o mínimo de duas horas para cada momento de estudo, seguidas de intervalo de, pelo menos, 15 minutos, caso seja possível se dedicar por um período mais longo.

O objetivo de planejar antes de colocar em prática é tomar o máximo de decisões com antecedência para deixar a mente livre para aprender, sempre lembrando que todas as novas definições precisam ser registradas por escrito para consulta quando for necessário.

Como funciona o hábito
Um bom hábito de estudo permite que exista consistência no cumprimento do plano de ação, fator determinante para o desempenho e também para sensação de segurança necessária ao combate da ansiedade típica dos concurseiros.

Para que a proposta funcione é necessário seguir três passos: criar uma deixa ou gatilho, ter uma rotina e estabelecer uma recompensa. A sequência foi comprovada cientificamente e divulgada em alguns livros, como O Poder do Hábito, de Charles Duhigg.

O primeiro estágio, da deixa ou gatilho, diz respeito a o que ajuda o cérebro a entender que é hora de estudar. Para algumas pessoas, tomar um banho ou começar logo após alguma das refeições do dia funcionam bem. Outra opção é a organização do local de estudo, com a separação do que será usado.

A rotina exige um cuidado a mais: estudar sempre no mesmo horário e pela mesma quantidade de tempo por pelo menos 21 dias, conforme Charles Duhigg. Estudos mais recentes consideram que o cérebro precisa de mais tempo para estabelecer o hábito: para alguns cientistas, 30 dias; para outros, 66. A repetição constante e padronizada é responsável pelo condicionamento, aspecto mais importante para a rotina se tornar automatizada.

Por último, o estágio bastante esquecido pelos concurseiros: a recompensa. Todo esforço, por menor e mais simples que seja, merece uma retribuição. O mesmo ocorre quando as metas de estudo são traçadas. Seja uma guloseima ou um show, a gratificação premia o esforço e alimenta o entusiasmo, tão necessário para manter a dedicação até a prova

Conteúdos revisados
A retomada não se limita à rotina, mas também aos conteúdos. A impressão de que muitas informações foram perdidas leva os concurseiros a querer voltar ao início das matérias ou simplesmente ignorar o que já foi visto e seguir adiante, abordagem que pode ser fatal no momento das avaliações.

A opção mais adequada é montar um simulado com todo o conteúdo estudado até a paralisação ou redução do ritmo e filtrar o que precisa ser revisado. Feito isso, além de praticar o que foi aprendido, será possível avaliar o que ficou retido na memória antes de continuar. Esse formato de resgate é propício para momentos mais curtos de dedicação, portanto ideal para o período de readaptação.

 

Fonte Original: Metropoles 

O que não fazer na hora de estudar

O que não fazer na hora de estudar, para que não atrapalhe seu desenvolvimento.

  • Não entre em pânico! Se entrar em pânico, pode cometer erros, então mantenha-se calmo. Se tiver planejado bem a revisão, não precisa ter medo quando a prova se aproximar. Respire fundo, diga a si mesmo “Eu vou conseguir” e relaxe.

  • Diminua o uso do computador. Principalmente o da internet. Você aprende melhor quando escreve. Além disso, use menos o celular e não fique respondendo mensagens a toda hora, pois acabará se distraindo.

Desligue a internet se sabe que ficará tentado a usá-la. Desligue o computador ou peça ao seu amigo para não deixá-lo usar. Em resumo, tente se assegurar de que não irá desperdiçar seu tempo na internet quando deveria estar estudando.

  • Não ouça música a menos que isto o ajude a estudar. Algumas pessoas precisam de música para estudar, mas não ocupe o seu cérebro com outras coisas além do estudo. Uma distração a mais, mesmo que seja música calma, é algo a mais para o seu cérebro processar, além da informação que está tentando estudar.

  • Não fuja do tópico. De vez em quando, todos acabamos saindo da matéria. Às vezes, é porque a matéria que temos que aprender é chata, outras vezes é porque a outra matéria que não precisamos saber parece mais interessante. O que quer que seja, espere terminar de estudar para ir mais fundo e explorar conteúdos diferentes.

Sempre se pergunte: Qual é a chance de essa matéria cair na prova? Se estiver bem focado, pode fazer um ranking das matérias mais prováveis e mais improváveis, dando mais atenção às primeiras.

 

  • Não desanime. Estudar para um prova pode ser intimidante, principalmente no começo. Estude por partes e não se preocupe em ser perfeito na primeira vez. Lembre-se: você está aqui para aprender, não pra gabaritar uma prova. Tente entender o contexto se não conseguir pegar o conceito. Assim, fica mais fácil entender os detalhes.

DICAS PARA TER UM AMBIENTE DE ESTUDO IDEAL

Cada detalhe na hora do estudo faz a diferença, principalmente quando se trata do ambiente onde você está estudando. Para aumentar o foco e a concentração, é importante que este ambiente esteja adequado.

Entretanto, o local de estudo pode ser diferente para cada aluno, atendendo suas preferências. Mas existem alguns pontos essenciais e básicos que podem fazer toda a diferença na hora de aprender algo novo.

Boa Iluminação

Não é muito confortável estudar em um local escuro em que você precisa forçar os olhos e até provocar uma dor de cabeça. Para os que estudam durante o dia, a luz natural é a melhor opção. Já para aqueles que preferem estudar durante a noite, o ideal é contar com uma luminária.

Organização

Evite estudar em meio a papéis jogados, restos de alimentos e materiais espalhados. A desorganização pode dispersar a sua atenção, além de deixar o seu ambiente poluído visualmente.

Lugar Quieto

Escolha um local que tenha o mínimo de interferências externas e interrupções. Mas é fundamental também que o estudante, ao longo do tempo, adquira a capacidade de manter o foco em qualquer ambiente. Mas não se preocupe, essa habilidade pode ser construída aos poucos.

É importante que o estudante mantenha a boa postura durante o estudo, evitando possíveis torções. A cadeira deve ser confortável, com encosto firme para sustentar as costas, apoiando a região lombar. É aconselhável também que se evite estudar no sofá ou deitado na cama.

Cuidado com as Distrações

Se você de distrai facilmente, busque ambientes tranquilos onde não há o uso de televisões, celulares, rádios e outros equipamentos. Assim, evita todo e qualquer ruído que possa interferir na sua concentração.

Organize sua agenda

Ter um calendário é primordial

Não, não é clichê, ter um calendário é mega importante para os estudos. Sendo assim, monte um calendário de estudos, coloca na parede, enfeita ele e escreve todas suas tarefas da semana ali. Organizar e detalhar suas tarefas torna tudo mais objetivo, só não esqueça de ser realista de acordo com o que você pode fazer em cada dia!

Tente ao máximo não utilizar aparelho celular

Uma das maiores distrações que você tem é com seu aparelho móvel, mesmo utilizando-o para ver videos aulas sempre chega aquelas notificações que da vontade de ir lá para vê-las.

Então, quando estiver lendo, revisando matéria ou fazendo exercícios, nada de trocar mensagens ou ver o Facebook. Lazer é lazer, estudo é estudo!